Notícias

3/08/2013 20:11 - Atualizado em 3/08/2013 20:11

O que me salvou da cocaína foi a igreja, diz ex-jogador

O futuro de Jardel no futebol foi interrompido por uma overdose. No auge da carreira, isso em 2006, o atleta conheceu a droga e se entregou, até que em 2011 teve uma overdose. O ex-atleta esteve em Fortaleza (CE) no início da semana para cumprimentar o técnico Felipão e concedeu uma entrevista ao jornal Extra dizendo que conseguiu se livrar do vício na igreja, mas que está em processo de cura.

“Estou na luta”, disse o ex-jogador. A luta que ele se refere é a luta contra o vício. “Tenho que dizer que estou na luta porque pode haver uma recaída”, confessa.

Ele falou com orgulho que está há dois anos sem usar cocaína e ao ser questionado sobre como conseguiu largar o vício ele declara: “o que me salvou foi a igreja”. Além de frequentar uma igreja, ele relatou que se afastou das más companhias.

Mário Jardel de Almeida é cearense e brilhou nos campos na década de 90 e início dos anos 2000 chegando a jogar em times de Portugal e França. Ao voltar para o Brasil ele conseguiu contrato com clubes do Sul do país e até hoje mora em Porto Alegre (RS).

O motivo para não voltar a morar no Ceará é a facilidade que ele conseguia drogas. “Aqui, eles não me respeitam. O pessoal chega e fica me oferecendo droga na rua”, disse ele que está desempregado tentando ser comentarista na TV.

Fonte: Gospel Prime

Recentes

Banner Lidere Hospedagem

Eduação Cristã

LIDERE MG - Informações Sobre Hospedagem

Banner Escola de Música IBBP

Artes

Escola de Música IBBP

Banner Lidere

Eduação Cristã

LIDERE - Congresso de Liderança Espiritual Regional

Comentários

  1. João Vitor Alves Santos disse:

    Bom Dia,

    Minha noiva e eu temos interesse em realizar o curso de noivos, e gostaríamos de saber os valores, horários, datas e descrição do curso. Aguardo retorno.

    Obrigado.

  2. Sally Lopes Rosa disse:

    Boa tarde, gostaria de informação sobre curso de noivos.
    Grata

Deixe o seu comentário!

Todos os campos são obrigatórios.